segunda-feira, 4 de julho de 2011

[AXOLOTE ATROPELADO, de Helene Hegemann]



O livro que  que chega amanhã às livrarias de todo o Brasil temsido sido o epicentro de uma espinhosa discussão literária na Alemanha causando grande polêmica. A escritora alemã, que utiliza trechos de outras obras para escrever é acusada de plágio. Não se pode negar que Axolote Atropelado é obra feroz e impetuosa, sobre a passagem para a idade adulta. Desde a publicação, as críticas declararam-na genial.

 Lançado em janeiro do ano passado na Europa, “Axolotle atropelado” retrata os altos e baixos da vida de uma jovem alemã que perdeu a mãe e que circula livremente (e exclusivamente) pelo mundo das drogas e das discotecas de Berlim. A narrativa de suas experiências, com uma linguagem sem pudores que detalha o efeito dos entorpecentes no corpo humano, fez com que o livro não demorasse para atingir o quinto lugar na lista dos mais vendidos segundo a revista alemã “Der Spiegel”.

Em poucas semanas, foram três edições e cem mil exemplares, além de muitos elogios à adolescente Helene Hegemann, que estreava na literatura aos 17 anos.

A narrativa tem início quando aos dezesseis anos, Mifti assume sua condição de 'garota-problema' participante da cena underground de Berlim, onde mora desde a morte da mãe. Em sua busca por uma parceria e por uma compreensão incondicional, ela encontra um mascote exótico e surpreendente - o axolotle - uma espécie de salamandra mexicana que, por um defeito genético, permanece em estado larvário, sem se desenvolver.

O desfecho da estreia da jovem autora teria sido venturoso não fosse pela curiosidade e perspicácia de um blogueiro alemão Deef Pirmasens. Um mês após o lançamento de “Axolotle”, ele descobriu (e publicou na internet) que Helene havia copiado em sua obra trechos inteiros de um livro intitulado “Strobo”. 

No total, Helene utilizou de forma literal ou com sutis modificações 19 passagens de “Strobo”. Quase uma a cada dez páginas. E Pirmasens reuniu muitas delas em seu site, transformando em inferno todo o júbilo da jovem Helene. A filha do dramaturgo e professor de teatro Carl Hegemann, ela respondeu à revelação com ferocidade. Não negou a cópia, mas disse que seu trabalho consiste em fazer “sampling” ou “intertextualidade”. 

Para se defender, Helene emitiu uma nota a imprensa dizendo:“Não existe originalidade, apenas autenticidade”, disse. “Não sinto que estou roubando nada, porque ponho todo o material num contexto único e completamente diferente”.

Dias mais tarde, e cientes das acusações de Helene, os jurados da Leipzig Book Fair, um dos eventos literários etradicionais da Alemanha, decidiram mantê-la entre as finalistas do prêmio de US$ 20 mil que seria dado à categoria ficção. A polêmica aumentou e as vendas dispararam.

Ao fim da edição que chega ao Brasil amanhã, há seis páginas que listam as fontes onde a jovem escritora bebeu para construir seu best-seller. É esperar, que já já o livro chega às telonas. Quer apostar?

com O Globo


Sobre a Autora



Helene Hegemann é a nova estrela da literatura alemã. Com apenas 17 anos  seduz a crítica com seu romance sobre uma juventude sem limites nem referências. Helene nasceu em Freiburg, Alemanha, em 1992, e mora em Berlim. Axolotle atropelado, seu romance de estreia, foi indicado para o prêmio literário do lit.Cologne, um dos maiores festivais de literatura da Europa, e foi finalista do prêmio literário da Feira do Livro de Leipzig, em 2010, na categoria ficção. Torpedo, seu filme anunciado como "a revelação do ano" no Hof Film Festival de 2008, estreou na Alemanha no verão de 2009, recebendo o prestigiado prêmio Max Ophüls. Helene também é autora da peça teatro Ariel 15, que estreou em 2007.


Axolotle Atropelado 
Autora_ Helene Hegemann
Editora_Intrinseca
Folheando_208 páginas
Quanto custa o Axolote_R$ 39,90, na Livraria da Folha


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente