quinta-feira, 24 de fevereiro de 2011

[CANALHA, SUBSTANTIVO FEMININO, de Martha Mendonça]



O termo canalha, usado para definir homens sem nenhum caráter, ganhou uma conotação feminina, nas histórias contadas pela jornalista da revista Época, Martha Mendonça. A escritora inverte a lógica de gênero que repete que “homem não presta” ou que “todo macho de verdade é cafajeste”, mostrando que a mulher, quando quer, sabe muito bem como ser muito mais canalha.

O recém lançado livro, foi objeto de comentário na deliciosa coluna Nossa Intimidade de seu colega ,Ivan Martins, que alías eu adoro e não perco uma...

Ivan cita que as mulheres deste livro de Marha 'fazem os cafajestes masculinos parecerem coroinhas'.Talvez ele conheça um universo limitado de mulheres 'capazes de tudo',  racionais, calculistas, oblíquas como o olhar de Capitu. Algo que ele não vê no universo masculino, pois é o seu universo.



Sobre a autora
 


Martha Mendonça é comparada por este livro ao inesquecível Nelson Rodrigues, o grande sintetizador do universo imoral brasileiro. Suas personagens são pecadoras de classe média baixa, criaturas infames do repertório da família degradada que o autor de Vestido de Noiva e Beijo no Asfalto reconheceria instantaneamente. Ela publicou, com Nelito Fernandes, o romance Eu e você, você e eu, publicado pela Record, e a peça Os difamantes, sucesso nos palcos do Rio e de São Paulo.


São histórias onde a figura da mulher aliada a passividade não existe! Já solicitei o meu exemplar. E você? Leia e poste aqui suas impressões... vou adorar saber!

Gênero_Crônicas/Contos
Folheando a Canalhice Feminina_144 páginas
Preço da Canalhice_R$ 29,90 (baratinho) 


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente