sexta-feira, 30 de julho de 2010

[FAZE-ME FALTA, de INÊS PEDROZA]


fazes-me-falta


Por causa da boa aceitação de Fica comigo esta noite (2008), a escritora e jornalista portuguesa Inês Pedrosa,  relança Fazes-me falta (2003), o livro que a consagrou. 

É talvez um dos mais intrigantes romances portugueses da década, com uma narrativa em duas vozes, no qual um casal reflete sobre a relação amorosa interrompida pela morte prematura da mulher, aos 37 anos. Feminista de primeira hora, Inês é conhecida por seu engajamento em causas como a união entre pessoas do mesmo sexo e a descriminalização do aborto. Se a militância na vida real é explícita, na obra ela aparece de forma mais discreta. 

A personagem feminina é uma professora que se envolve na política de forma idealista. Ela não carrega bandeiras nem faz discursos, mas é possível perceber, de forma sutil, muitas vezes nas entrelinhas, críticas ao machismo da sociedade, às diferenças sociais e outras questões. Inês criou uma estrutura na qual cada capítulo, que dura em geral duas ou três páginas, traz o pensamento de um deles, em forma alternada. 

O estilo de escrever de cada personagem é diferente do outro, o que torna desnecessária a alteração do tipo de letras usado em cada texto. No fundo, é como se cada capítulo fosse uma carta que um escreve ao outro. A questão é que nenhum dos dois tem conhecimento do que o outro escreveu. Isso é ainda mais interessante quando percebemos que volta e meia os textos se cruzam de forma a dialogar indiretamente entre si.

Ines Pedroza
Sobre a autora
Jornalista portuguesa, Inês iniciou sua carreira na literatura em 1992. é licenciada em Comunicação Social pela Universidade Nova de Lisboa. Trabalhou em vários jornais ("O Jornal", "JL", "O Independente", "Expresso") e revistas ("Marie Claire", de que foi diretora durante 3 anos e "Ler"). O seu primeiro romance, "A Instrução dos Amantes", foi publicado em 1992, e nele traçava as estratégias da vida adulta sobre um microcosmos de adolescentes suburbanos. Cinco anos mais tarde surgiu "Nas Tuas Mãos", onde a autora nos leva a imaginar o Portugal das últimas décadas, através das emoções das três protagonistas, três mulheres (avó, mãe e filha) que cruzam destinos e memórias que atravessam o século XX.

Publicou ainda uma magnífica "Fotobiografia de Cardoso Pires", e os livros "20 Mulheres para o Século XX" e "Poemas de Amor (antologia de poesia portuguesa)", que seleccionou, organizou e prefaciou, ambos editados por Publicações D. Quixote.


Editora ALFAGUARA

Folheando_272 páginas
Não vai "fazer falta"_R$ 37,90

[HISTÓRIAS DE ADOÇÃO: MÃES, de Ana Amélia Macedo e Solange Diuana]

Histórias de adoção 
Conheço de perto, uma história linda de adoção. Não foi uma, mas, duas crianças de uma vez. Alguém que nunca foi mãe, de repente, se viu tomada por um amor imenso, incondicional. Por isso, o livro Histórias de Adoção: as mães, escrito por Ana Amélia Macedo, mãe de dois filhos adotivos, e Solange Diuana,  voltado para a família que deseja adotar e elucidar muitas dúvidas envolvendo burocracia, família biológica, expectativas e perspectivas, é uma leitura útil. 

O que parece ser simples, não é. Então, para quem deseja entrar neste universo, nada melhor do que conhecer os trâmites e os caminhos certos de quem já passou por ele. 

O livro reúne depoimentos de doze mulheres que, por motivos diferentes, pertencentes a classes sociais distintas, optaram pela adoção, mesmo havendo filhos biológicos envolvidos. Todas contam sobre a emoção e satisfação de ser mãe, do primeiro encontro com o filho adotivo e das transformações geradas na vida particular.

O Histórias de Adoção é lançado num momento em que falar sobre adoção ainda é pisar num campo pouco conhecido pela sociedade brasileira. Existe, principalmente, a desinformação sobre o ato de adotar, os caminhos que são bem burocráticos, mas, mesmo assim, necessários, como e onde encontrar uma criança e, especialmente, como integrar na comunidade um filho que, apesar de não ser biológico, é igualmente amado pela família toda.

No Brasil, ainda existem muitos preconceitos, apesar de as estatísticas estarem mais favoráveis em relação a um passado próximo: 49% dos pais só aceitam crianças brancas, e meninas; 44% só aceitam crianças de até um ano, sendo que no país, existem quatro mil crianças à espera de uma família e, destes, 85% têm entre cinco e 18 anos, a maioria negras, ou irmãos, que neste caso a justiça dá preferência, pela não separação entre eles, de acordo com a assessoria do Tribunal de Justiça. O tema que ganhou nova dimensão após a agressão desferida pela promotora aposentada Vera Lúcia Sant´Anna a uma criança de dois anos e trouxe à tona questões envolvendo a escolha dos pais, os cuidados com o filho adotado e a relação familiar entre os novos membros. 

Desta forma, as autoras Ana Amélia Macedo e Solange Diuana são duas personagens que vivenciam, no dia a dia de aconselhamento, as experiências da adoção e são aptas para esclarecer questionamentos e, com o livro, dividir histórias comoventes e estimulantes. Além delas, as mães que narram suas histórias no livro também estão aptas para dividir experiências. O título é o primeiro de uma série com três livros, em que serão ouvidos, ainda, os pais e os filhos, nos lançamentos subsequentes.
Recomendo!

Editora independente

De: R$ 30,00
Por: R$ 23,70
na Livraria da Travessa/RJ

quinta-feira, 29 de julho de 2010

[Meio Sol Amarelo, de Chimamanda Ngozi Adichie]

imagecapa meio sol amarelo
     

          Capa da edição original (ASA, Portugal) e da edição brasileira (Cia das Letras)

“Meio Sol Amarelo”, romance editado pela ASA que venceu o Orange Prize em 2007, pode parecer, à partida, uma obra sem grandes argumentos para conquistar os leitores portugueses. A autora, nigeriana, não só é desconhecida do público português como tem um nome estranho: Chimamanda Ngozi Adichie. Ela entrelaça as vidas de cinco personagens. Todos são forçados a tomar decisões definitivas sobre amor e responsabilidade, passado e presente, nação e família, lealdade e traição. Todos vão assistir ao desmoronar da realidade tal como a conheciam devido a uma guerra que tudo transformará irremediavelmente

A história decorre no Biafra, nação africana que já não existe e que surge inevitavelmente associada à fome e à guerra – entre 1967 e 1970 tentou sem sucesso separar-se da Nigéria. Só conquistou guerra, morte, fome e desilusão. Nem todoas as devoradoras gostam de histórias catastróficas, tristes e pode até questionar: Porquê ler este livro? Eu diria, que antes de mais, porque é bom, é muito bom. Ele transmite uma paixão em seus relatos, e este sentimento é transmitido com perfeição ao leitor. Independentemente do tema, o que leremos é uma ótima história (ou histórias), e muito bem contadas, com paixão mas sem drama exagerados, mesmo que a envolvência pudesse levar a que fosse percorrido esse caminho. Foi escrito de forma simples, sem muitos floreados, como o tema impõe.

“Meio Sol Amarelo”
é, assim, uma boa mistura de drama familiar com retrato de um período da história. Um romance sim, que tem uma estrutura original como um ‘passeio’ pelo tempo. Começa no ponto “A” e vai para ponto “B” e retorna ao ponto “A” para de novo voltar a “B”, permitindo estas deslocações temporais uma melhor compreensão da complexidade da trama e da própria personalidade das personagens. 

“Meio Sol Amarelo”, apesar de ser um retrato de uma guerra, é também (ou principalmente) um excelente retrato de pessoas e o modo como muitos tentam ter um quotidiano ao qual se agarrar para conseguirem manter a estabilidade mental é retratado na perfeição neste romance.  Chimamanda conseguiu o que queria: transformou as estatísticas da morte em histórias de vida recuperando do esquecimento uma tragédia que marcou uma época.


Sobre a autora, Chimamanda Ngozi Adichie

Nasceu em Enugu, Nigéria, em 1977. Muitas vezes premiada e anunciada como a nova voz da literatura nigeriana, vem sendo comparada a autores do porte de V. S. Naipaul, Chinua Achebe e Nadine Gordimer.

Editora Companhia das Letras
Folheando_504 páginas
Preço_R$ 58,50 

sábado, 24 de julho de 2010

[BILLIE HOLIDAY, de Sylvia Fol]

capaBillie Holiday  

Comprei o livro da Billie Holiday, na livraria da Folha, um dos meus locais preferidos de compra online, atualmente.Bons títulos, preços bacanas e comodidade.

Biografias, principalmente de mulheres, são as minhas preferidas. E esta é da série pocket, L&PM, que tem os personagens mais influentes na área da arte, literatura, música e em outros campos.
.Billie_Holiday_bp

Billie Holiday (1915 – 1959) não teve uma vida fácil. Desde a infância ia de um lado para o outro, convivendo aqui e alí, com o tipo mais ceuel de pessoas. Foi realmente uma sobrevivente. Negra, pobre, prostituída - pela própria mãe, foi uma adolescente vilnerável, característica que levou pela vida afora. Com uma voz marcante e vigorosa, Billie conviveu nas ruas do Harlem entre as mais prestigiadas salas de espetáculos da época.

Lutou a vida toda por respeito e para se impor, como pessoa. Se envolveu com o sexo promíscuo, as drógas, o álcool pois queria experimentar de tudo, até o limite.
No palçco ela se encontrou vivendo a sua unica experiência de amor, com o jazz, cujo sinônimo representava o seu nome. Em uma época que nos Estados Unidos a população era dividida entre baranco e negros, literalmente, ela foi um simbolo da liberdade, por só fazer o que queria.


Um belo e emocionante livro. Super recomendo!
Preço super acessível R$ 19,90

L&PM Pocket

quarta-feira, 21 de julho de 2010

[LADY GAGA - A BIOGRAFIA, de Helia Phoenix]



O sucesso da cantora pop e exótica Lady Gaga, no mercado fonográfico será testado agora no mercado editorial.  Stefani Joanne Angelina Germanotta, o nome de batismo da estrela pop, terá sua história contada por três livros diferentes. Todas as biografias serão lançadas em português.


A editora Globo lançou  “Lady Gaga – A Revolução do Pop“, que registra desde seu nascimento até sua educação em colégio católico. Chegando ao momento da explosão da cantora com seu primeiro álbum, “The Fame”, lançado em agosto de 2008. Quem assina o livro é a jornalista Virgina Blackburn, cujo nome literário é Emily Herbert. 


Outra biografia  é “Lady Gaga: Just Dance”, que aqui saiu como Lady Gaga – a Biografia e foi escrito pela também jornalista Helia Phoenix, e está sendo publicado pelo selo Lua de Papel, da editora Leya.
 
 
Com apenas 24 anos, e dois de carreira com um álbum lançado, Lady Gaga é apontada como uma das grandes divas do pop internacional contemporâneo., sendo comparada à Madona. Selecionada como uma das 100 mais influentes do mundo pela revista Time,  é campeã de vendagem de CDs, e vem revigorando o mercado de videoclipes e determinando tendências tanto na moda como em comportamento. 


Nascida e criada em Nova York, de família rica, Lady Gaga começou a sua trajetória sem grandes dramas ou infortúnios. Entretanto, mesmo tendo à disposição recursos e apoio familiar, enfrentou obstáculos, foi incompreendida e lutou para encontrar sua linguagem e espaço.
No livro de Helia Phoenix, que traz diversas fotos dos diversos e extravagantes looks da cantora, o leitor acompanha o desenvolvimento da persona artística que o mundo conhece como Lady Gaga: a menina que começou a tocar piano aos quatro anos, aos 13 escreveu seu primeiro romance e aos 19 já havia escolhido a música para se expressar. 

Muitas escolhas da jovem Stefani – que trocou a famosa escola de música Juilliard pela escola de artes dramáticas Tisch – foram determinantes para a sua formação artistica.

“Eu sempre fui uma entertainer. Eu era exibicionista quando menina, assim como sou hoje em dia.”  
                                                            Lady Gaga

Considerada a rainha do YouTube – seus vídeos batem recordes de exibição -, e conquistando recordes de vendagem de música on line, Lady Gaga personifica a primeira pop star da era digital. Um estilo extravagante e performático que tem influenciado o mundo da moda e dá nome a uma tendência, o “Gagaísmo”. O livro “Lady Gaga – Biografia” reproduz entrevistas e depoimentos de amigos e colaboradores, além de reunir 16 páginas de fotos coloridas da artista, revelando detalhes do sucesso fulminante da nova diva do pop internacional.
Sobre a autora
Helia Phoenix é jornalista e escreve sobre música. Gosta de música eletrônica experimental, dos filmes de Kevin Smith, de tricotar cachecóis e de passear com seu cachorro. Atualmente, vive no País de Gales.

Pra conhecer a vida de Gaga_são 248 páginas
Custo_R$ 34,90 (mas, lembrem-se de procurar pelas Promoções)

quarta-feira, 14 de julho de 2010

[Zeca Camargo na Bienal do Livro de SP]


Apresentador está entre os convidados de Walcyr Carrasco para o Palco Literário Isadora Attab
 
Zeca Camargo é um dos convidados do Palco Literário, na 21ª Bienal Internacional do Livro de São Paulo. O espaço, que tem como curador o autor de novelas e escritor Walcyr Carrasco, é dedicado a personalidades que farão leituras interpretativas de textos da literatura brasileira. Após cada apresentação, o público terá a oportunidade de participar de um bate-papo com os convidados.

Além de Zeca Camargo, confirmaram presença no Palco Literário as atrizes Bianca Rinaldi, Nívea Stelmann e Regina Duarte, e os atores Ary Fontoura, Carmo Dalla Vecchia, Paulo Goulart, Sérgio Marone e Wagner Santisteban.

Walcyr Carrasco também preparou um evento especial para o Palco Literário. Como ocupante da cadeira de número 14 da Academia Paulista de Letras, o escritor convidou e os demais acadêmicos da APL concordaram em realizar uma sessão da instituição aberta ao público no Pavilhão de Exposições do Anhembi. Na ocasião, os membros da APL debaterão a vida e a obra de Monteiro Lobato.
Zeca Camargo é autor dos livros A fantástica volta ao mundo, De A-ha a U2, Isso aqui é seu, Novos Olhares, além de fazer a apresentação de 1000 lugares fantásticos no Brasil, todos publicados pela Globo Livros. Walcyr Carrasco também faz parte do catálogo de autores da editora, participando de Autores - Histórias da Teledramartugia, dois livros que contém perfis, depoimentos e a lista de trabalhos de 16 autores de teledramaturgia da TV Globo. 
A 21ª Bienal Internacional do Livro de São Paulo prepara uma programação cultural rica e diversificada, composta por mais de 700 atividades distribuídas por pelo menos 400 horas durante seus 11 dias de duração (de 12 a 22 de agosto de 2010, no Pavilhão de Exposições do Anhembi).

21ª BIENAL INTERNACIONAL DO LIVRO DE SÃO PAULO
Data: 12 a 22 de agosto de 2010
Local: Pavilhão de Exposições do Anhembi - Av. Olavo Fontoura, 1.209 - São Paulo/SP

terça-feira, 13 de julho de 2010

[Virginia Woolf (em 90 minutos), de Paul Strathern]

arte_FoucaultEm90Minutos.indd

Achei muito ‘bacaninha’, esta série ‘em 90 minutos’ onde o autor expõe as ideias de grandes escritores, de forma simples, tornando atraente e informativa a vida de influentes e importantes autores da literatura mundial.

Nesta biografia de Virginia Woolf, o autor fala das perturbações mentais, medos e insatisfações que marcaram a vida da grande escritora Virginia Woolf, de quem sabemos, que no plano pessoal, seus esforços foram em grande parte vãos, culminando com o seu suicídio, em 1941. Essas temáticas se transformaram em preciosidades como Orlando e Mrs. Dalloway. Foi assim, que Paul Strathern conquistou seu lugar como um dos melhores autores de língua inglesa da primeira metade do século XX.

No site de Virginia Woolf, (em inglês) você pode saber mais.


Da série escritores em 90 minutos: A biografia e as ideias de grandes escritores, em relato atraente e informativo que explica sua importância e influência na literatura mundial.

Sobre o autor

strathern_paul

Jornalista e escritor, Paul Strathern é um dos melhores autores da lingua inglesa do início do Sex. XX, Paul Strathern

segunda-feira, 5 de julho de 2010

[HOJE EU SOU ALICE,Nove Personalidades, uma Mente Torturada, de Alice Jamieson]

Hojeusoualice

O título deste livro me chamou a atenção entre os tantos de uma livraria que frequento semanalmente.
Foi a minha opção de compra da semana quando soube na contra capa, que esta é a história de uma vítima de transtorno de multipla personalidade, ou Transtorno Dissociativo de Identidade, (também conhecido como desordem de personalidade múltipla), lutando contra o alcoolismo, a anexoria e contra outras NOVE Alices.

Em portugal, o livro foi lançado como O Inferno de Alice, e também nesta versão, perceber e sobreviver ao passado foi apenas o início de uma luta que Alice trava até hoje. A extraordinária jornada desta vítima de transtorno de múltipla personalidade,  ainda teve uma infância pertubadoramente cruel. Enquanto a edição de Portugal, fala em ‘dezenove personalidades alternativas’, a edição brasileira fala em ‘nove', que emergiram depois ficaram sem controle e Alice entregou-se a elas - e sua vida passou a ser um caleidoscópio de acontecimentos e revelações. 

Sabemos que esta doença se desenvolve como resultado de grave abuso sexual, físico e emocional como um mecanismo de defesa. O que é interessante é que quando chegamos no meio do livro, antes de Alice - ou nós – sabe-se realmente o que está acontecendo. Ela sofre uma amnésia, como desmaios, às vezes emergentes para encontrar o seu dever de casa feito, por exemplo, ou percebe que o seu dinheiro está sendo gasto em algo que ela realmente não gosta. 

Emocionante e incrivelmente ‘forte’, este é o relato cativante sobre uma doença rara e sobre a história de uma mulher que decidiu lutar contra a realidade e a imaginação.

Quando acabei de ler "Eu sou Alice", devo dizer que é um dos livros mais inspiradores que já li, Alice realmente é uma sobrevivente e dizer que ela conseguiu ‘até’ escrever um livro sobre suas experiências é verdadeiramente fantástico . Alice tem muito para se orgulhar. 

Eu, realmente recomendo a leitura deste livro!

SOBRE A AUTORA
Alice Jamieson escreve a sua biografia. 

EDITORA LAROUSSE

HOJE EU SOU ALICE,- Nove Personalidades, uma Mente Torturada
Alice Jamieson

Quanto_R$ 34,90  (com desconto R$ 28,90, economizei R$ 6,)
Folheando_336   páginas

O EVANGELHO DE COCO CHANEL, de Karen Karbo

O Evangelho de Coco Chanel

Já li inúmeros livros sobre Chanel. Achei que este seria o mais interessante, com uma compulação de tudo o que eu já sabia da diva das agulhas. Mas, o livro me surpreendeu, do início ao fim.
A cada nova página que eu virava, esperava mais, e mais, e não vinha este ‘mais’. Uma pena, não encontrei nenhuma novidade que já não soubesse. As ditas Lições de vida da mulher mais elegante do mundo’, não me deixaram mais apaixonada, – nem menos, pela mulher que reinventou a moda, mas não foi totalmente ‘desvencilhada’ ainda. O livro tem ‘até’ algumas passagens divertidas, em seus capítulos temáticos, mas, nada que tenha me impressionado.
Fico no aguardo do próximo livro da minha estilista favorita… mas, quem quiser se iniciar na vida de Chanel, vale a leitura. Leve, e sem compromisso.

Sobre a autora
karenkarbo

Karen Karbo, escreveu três romances, ditos notáveis pelo New York Times e mais alguns livros de não ficção e infanto-juvenis. Com artigos e resenhas publicados na Elle, Vogue Outside, e New York Times, Karen pesquisou sobre o cativante estilo, a fama e o talento de um dos maiores ícones da moda que resultonu neste livro.
O EVANGELHO DE COCO CHANEL
 
Editora SEOMAN, um selo da Pensamento Cultrix
216 páginas de ‘puro estilo’
Liquidando o ‘visual’, de: R$ 29,90 por: R$ 26,91