sexta-feira, 30 de julho de 2010

[HISTÓRIAS DE ADOÇÃO: MÃES, de Ana Amélia Macedo e Solange Diuana]

Histórias de adoção 
Conheço de perto, uma história linda de adoção. Não foi uma, mas, duas crianças de uma vez. Alguém que nunca foi mãe, de repente, se viu tomada por um amor imenso, incondicional. Por isso, o livro Histórias de Adoção: as mães, escrito por Ana Amélia Macedo, mãe de dois filhos adotivos, e Solange Diuana,  voltado para a família que deseja adotar e elucidar muitas dúvidas envolvendo burocracia, família biológica, expectativas e perspectivas, é uma leitura útil. 

O que parece ser simples, não é. Então, para quem deseja entrar neste universo, nada melhor do que conhecer os trâmites e os caminhos certos de quem já passou por ele. 

O livro reúne depoimentos de doze mulheres que, por motivos diferentes, pertencentes a classes sociais distintas, optaram pela adoção, mesmo havendo filhos biológicos envolvidos. Todas contam sobre a emoção e satisfação de ser mãe, do primeiro encontro com o filho adotivo e das transformações geradas na vida particular.

O Histórias de Adoção é lançado num momento em que falar sobre adoção ainda é pisar num campo pouco conhecido pela sociedade brasileira. Existe, principalmente, a desinformação sobre o ato de adotar, os caminhos que são bem burocráticos, mas, mesmo assim, necessários, como e onde encontrar uma criança e, especialmente, como integrar na comunidade um filho que, apesar de não ser biológico, é igualmente amado pela família toda.

No Brasil, ainda existem muitos preconceitos, apesar de as estatísticas estarem mais favoráveis em relação a um passado próximo: 49% dos pais só aceitam crianças brancas, e meninas; 44% só aceitam crianças de até um ano, sendo que no país, existem quatro mil crianças à espera de uma família e, destes, 85% têm entre cinco e 18 anos, a maioria negras, ou irmãos, que neste caso a justiça dá preferência, pela não separação entre eles, de acordo com a assessoria do Tribunal de Justiça. O tema que ganhou nova dimensão após a agressão desferida pela promotora aposentada Vera Lúcia Sant´Anna a uma criança de dois anos e trouxe à tona questões envolvendo a escolha dos pais, os cuidados com o filho adotado e a relação familiar entre os novos membros. 

Desta forma, as autoras Ana Amélia Macedo e Solange Diuana são duas personagens que vivenciam, no dia a dia de aconselhamento, as experiências da adoção e são aptas para esclarecer questionamentos e, com o livro, dividir histórias comoventes e estimulantes. Além delas, as mães que narram suas histórias no livro também estão aptas para dividir experiências. O título é o primeiro de uma série com três livros, em que serão ouvidos, ainda, os pais e os filhos, nos lançamentos subsequentes.
Recomendo!

Editora independente

De: R$ 30,00
Por: R$ 23,70
na Livraria da Travessa/RJ

Um comentário:

  1. Estudei com o filho de Ana Amelia Macedo. Ele é meu grande amigo. Pai dele Roberto Berliner é eum diretor de cinema, que fez os documentários "Herbert de perto" e "A pessoa é para o que nasce" e está trabalho em um filme sobre Nisse da Silveira. Parabens a Ana Amélia e ao Roberto

    ResponderExcluir

Comente