terça-feira, 22 de junho de 2010

[IMPERATRIZ ORQUÍDEA, de Anchee Min]

IMERATRIZ ORQUIDEA

Imperatriz Orquídea, de Anchee Min apresenta uma versão sensível e humana da trajetória de uma das mulheres mais odiadas da China: a última imperatriz Tsu Hsi, conhecida como Orquídea. Anchee Min apresenta neste livro uma ficção baseada em fatos reais pesquisados em documentos chineses originais. Com riqueza de detalhes, a escritora relata aspectos da vida da mulher que influenciou a política da China durante meio século.
Com um estilo dinâmico, Anchee Min insere fatos históricos na narrativa sobre a vida de Orquídea. A imperatriz nasceu no ano de 1835 em uma família de classe média de Anhwei, a província mais pobre da China. Com a morte do pai, mãe e três filhos foram morar com parentes em Pequim. Como filha mais velha, Orquídea acabou sendo prometida a um primo. Inconformada com a situação, ela encontrou uma maneira de fugir do casamento arranjado: entrou no concurso que escolheria as esposas do imperador Hsien Feng.
A imperatriz Orquídea de Anchee Min em nada se parece com aquela definida nos livros didáticos como sendo um cérebro de pura maldade e intriga. Orquídea usou, sim, de sua beleza para ingressar na Cidade Proibida e de alguns truques e subornos para tornar-se a preferida entre as esposas do imperador Hsien Feng. Mas acabou conquistando-o por sua inteligência e pela maneira pouco convencional de encarar as rígidas normas de etiqueta do mundo imperial.

A felicidade da vitória transformou-se em decepção, ao perceber que não havia muita emoção na vida dentro da Cidade Proibida. Os dias resumiam-se a esperar pelo chamado do imperador. Orquídea, porém, não queria ser apenas mais uma entre as três mil mulheres dispostas a dar à luz um novo herdeiro da Dinastia Ch’ing. Com um pequeno suborno para conseguir o encontro desejado e muita inteligência, ela tornou-se a preferida e deu à luz o único filho homem de Hsien Feng, o que conferiu a Orquídea o título de imperatriz.
Com a morte do imperador e o país arruinado financeiramente, deflagrou-se uma batalha pelo poder dentro da Cidade Proibida. Para não deixar o filho perder o posto que lhe pertencia por direito, Orquídea passou a envolver-se ainda mais na política, mas não mais escondida na sombra do imperador. Ao longo da história, Anchee Min revela os sentimentos, as apreensões e os pensamentos de Orquídea sobre tudo que se passava ao redor. E mostra que a força e a determinação foram fundamentais para a sobrevivência da imperatriz na sociedade que considerava a mulher um ser inferior.

ancheemin03
Sobre a autora

A autora Anchee Min também escreveu Imperatriz Orquídea. Nascida em Xangai no ano de 1957, Anchee Min cresceu em meio à Revolução Cultural da China. Aos 17 anos, foi mandada para um trabalho coletivo no campo. Lá, foi recrutada por um caçador de talentos para o Estúdio de Cinema de Xangai, patrocinado pela primeira-dama Chiang Ching, sobre quem escreveria mais tarde em A construção de madame Mao. Ajudada pela atriz Joan Chen, Min imigrou para os Estados Unidos em 1984 e estudou no Instituto de Arte de Chicago. Red Azalear, seu livro de memórias, foi eleito o livro do ano pelo New York Times e teve os direitos de publicação vendidos para vinte países. Além de escritora, Min é fotógrafa, pintora e musicista. Atualmente, mora na Califórnia com o marido, Lloyd Lofthouse, e a filha, Lauryann.
São 432 páginas por R$ 52,00

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente